QUANDO O MEDO DO INCERTO REPRIME OS NOSSOS SONHOS


Estamos sempre a ouvir dizer que a vida é curta, que não devemos deixar nada para amanhã, que a felicidade é a coisa mais importante da vida e que (adivinhem lá o maior cliché) devemos seguir os nossos sonhos. Mas a verdade é que poucas vezes colocamos isto em prática. Eu não sei quantas vezes já dei por mim a dizer estas mesmas coisas e a não conseguir acreditar a fundo nelas. Claro que toda a gente sabe que ser feliz é importante mas não está ao alcance fácil (!) de todos, verdade?


Neste fim de semana que passou senti na pele o que é, literalmente, largar tudo por um sonho e soube-me tão bem! É impressionante como o dia-a-dia e as rotinas dão cabo de nós e da nossa auto-estima e nos reduzem a tão pouco que parece que perdemos o controlo da nossa vida.

Neste fim de semana que passou senti na pele o que é, literalmente, largar tudo por um sonho - ou um objetivo, como queiram chamar-lhe - e soube-me tão bem! É impressionante como o dia-a-dia e as rotinas dão cabo de nós e da nossa auto-estima e nos reduzem a tão pouco que parece que perdemos o controlo da nossa vida. Cada vez mais vivemos para trabalhar, comer, dormir e ganhar (pouco) dinheiro e contentamo-nos com isso porque "hoje em dia está difícil" e "mais vale trabalhar 8h/dia no que não se gosta e a ganhar pouco do que estar em casa e não ganhar nada". É verdade, não digo que não. E quando há uma casa para sustentar e filhos para alimentar e educar isso torna-se ainda mais real mas valerá realmente a pena que nós, jovens, sem casa própria, sem filhos, sem obrigações financeiras deixemos de investir na nossa formação, nas nossas paixões, na nossa vida por conta de empregos aos quais ficamos agarrados "uma vida" porque temos medo de dar um passo em falso e trocar o certo pelo incerto? 

Soube há um mês que ficaria desempregada e apesar de já estar a contar com isso mais cedo ou mais tarde, já que passei o último mês sem trabalho para fazer, não contava que fosse logo em Fevereiro. E foi difícil.

No último mês tenho-me deparado com esta realidade dia após dia e em todos eles eu me pergunto o que hei de fazer. Soube há um mês que ficaria desempregada e apesar de já estar a contar com isso mais cedo ou mais tarde, já que passei o último mês sem trabalho para fazer, não contava que fosse logo em Fevereiro, no mês em que tudo aconteceu ao mesmo tempo, em que as despesas caíram todas na minha carteira de uma vez só e no qual eu não tinha perspetivas do que fazer profissionalmente se isso viesse a acontecer. Em Janeiro tinha. Em Maio teria novamente. Mas em Fevereiro não, de todo. E foi difícil. Mas foi por saber que poderia vir a ser difícil que antecipei a situação, arregacei as mangas e embarquei numa loucura rumo a um sonho antigo que teimava em reprimir e deixar para depois porque não era "relevante o suficiente", dizia eu. Hoje anseio que, em pouco tempo, esse sonho se venha a tornar o meu dia a dia profissional, a razão pela qual me levanto todos os dias com um sorriso no rosto, morta por "sujar as mãos" mais uma vez. Até lá, vou procurando oportunidades. Vou amealhando para um futuro. Vou fazendo planos, construindo sonhos. Vou aproveitando a vida conforme vou podendo e querendo. E apesar de saber que posso vir a negar boas fontes de rendimento, vos garanto que não há nada mais libertador do que dizer não a passar novamente 8h/dia a fazer o que não se gosta. Porque se há coisa que aprendi nos últimos meses foi que a vida é demasiado curta para fecharmos os olhos às nossas vontades em prol de dinheiros e status.


photo via pexels

6 comentários

  1. Quem me dera segui o meu sono, trabalhar na que realmente gosto.
    Estou desempregada a tempo de mais, a cabeça já não descansa, porque o pensamento esta sempre no dia de amanha, nas contas que há para pagar, na minha filha... É dificil, muito dificil

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente ainda ando à procura do que realmente gosto, tenho ido algumas entrevistas onde vejo a trabalhar-me, mas no fundo tenho aquela sensação de ser a minha própria patroa.
    Adorei o teu texto e foi-me bastante inspirador!

    Beijinhos,
    DEZASSETE

    ResponderEliminar
  3. Adriana mais uma vez acho que és fantastica....sem dúvida que todos os dias ouvimos que a vida é curta e temos de aproveitar. Mas depois passamos a vida a reprimir os nossos sonhos por medos, dúvidas....e nao sei que mais (as vezes apenas por desculpas que nos damos ). Gabo-te fortemente a coragem de ir em frente e lutar por o teu sonho, com certeza que isso te trará mais felicidade e o dinheiro não é tudo como tu tao bem sabes...força e boa sorte ��

    ResponderEliminar
  4. Não poderíamos não concordar mais... Força! Tudo há-de correr pelo melhor!

    ResponderEliminar
  5. Com certeza minha querida! Desejo-te muita sorte no rumo a este sonho e que consigas rápido que ele se torne no teu ganha pão!

    THE PINK ELEPHANT SHOE

    ResponderEliminar

Obrigada pelos comentários.
Todos serão respondidos, brevemente, nos respetivos blogues.